Como é que é um Tsunami no Japão?

Em 2011 um tsunami no Japão causou grande devastação na população da ilha.Mais de 25 mil pessoas foram afetadas. Entenda como, quando e onde pode ocorrer novamente uma tragédia como essa.

O tsunami no Japão foi sentido em todas as cidades da costa marítima. Então em alguns países a beira do oceano Pacífico foram registradas também algumas ondas bem grandes assim como tremores de terra registrados no Chile.

Assim as consequências dramáticas desse tsunami são sentidas até hoje. Então uma das ilhas que compõe o país foi afastada de sua localização geográfica pela força das ondas.

O tsunami no Japão teve grande evidência na mídia mundial. Pois houve pânico generalizado por causa da usina nuclear que foi afetada pelos eventos sísmicos deste mesmo dia.

Como é que é um Tsunami?

Os tsunamis são grandes ondas originadas no fundo dos oceanos devido ao movimento das placas tectônicas. Então no caso do tsunami no Japão o movimento simultâneo de três placas deu origem a onda devastadora.

No geral, quando sobem a superfície no meio do oceano são bem pequenas. Assim elas vão ganhando força e altura enquanto seguem o curso para os continentes, lá elas iminentemente batem contra a costa, invadem o território seco.

Os registros mais antigos destes eventos datam do ano de 1500. Então antes disso houveram outros que serviram como possível meio de migração para espécies marinhas e terrestres.

Como é que é que se salva de um Tsunami?

Antes do tsunami no Japão, um outro evento parecido em magnitude devastou a costa da Indonésia, localizada no oceano Índico.

Assim os tsunamis já ocorriam com certa frequência pelo mundo mas, quando eventos de grandes proporções como estes acontecem fornecem dados para que medidas de prevenção sejam criadas. Como o alarme de tsunamis que consiste no uso de boias espalhadas pelos oceanos, elas enviam informações sobre a maré.

Deste modo quando as pessoas estão em um local com ocorrência de tsunamis e ouvem um alarme desses, têm tempo de buscar abrigo longe da área de alcance das ondas. Veja como se salvar de um tsunami clicando aqui.

Como é que é um Tsunami no Japão?

Como é que é que se evita um Tsunami?

Por se tratar de um fenômeno natural, não há muito que possamos fazer para evitar que aconteçam. O que existem são meios de evitar suas consequências fatais:

  • As maiores áreas de risco de tsunami são as zonas costeiras, sendo assim evite visitas prolongadas a esses lugares.
  • Se vive em zonas litorâneas, aprenda a reconhecer o comportamento do mar e sempre fique atualizado quanto ao comportamento das marés.
  • Não se arrisque tentando surfar uma onda gigante, elas são imprevisíveis.
  • Se avistar uma onda gigante, corra para longe o máximo que puder, suba em lugares mais altos que ela e amarre-se forte com corda ou algo parecido.

Quando foi o último terremoto no Japão?

Os terremotos no Japão são frequentes. O país é um arquipélago, esta localizado entre três placas tectônicas ativas e possui vulcões em plena atividade.

O último terremoto no Japão ocorreu em 21 fevereiro deste ano em Abira Hokkaido. Um sismo de magnitude 5,5 Atingiu a região citada pela manhã, houve remoção em massa das populações de regiões montanhosas.

O tremor não deixou feridos, a estrutura das cidades também foi pouco impactada, pois, há muito tempo os japoneses vem adaptando sua forma de construir para que além de resistir seus prédios possam absorver qualquer impacto.

Peixe remo aparece no Japão

O peixe remo é uma espécie que mede mais de dez metros e vive na parte mais profunda do oceano pacífico. Seu aparecimento segundo alguns é o indício de que um grande tsunami no Japão é iminente.

Outras pessoas dizem que o peixe remo subiu às áreas mais respiráveis devido ao aquecimento global e da poluição submarina. Certas espécies têm buscado se reposicionar num ambiente que esta se modificando rápido.

Na última semana algumas unidades da espécie apareceram mortas no país. Assim a população teme que pode acontecer algo pior.

Segundo a lenda, o que é o peixe remo no Japão?

A mitologia japonesa considera diversas espécies animais como mensageiros de bons e maus agouros.

No caso do peixe remo sua aparição esta sendo considerada um presságio de má sorte. Ainda não existem confirmações de que um tsunami esteja prestes a investir contra a costa japonesa.

Como em qualquer cultura composta por mitos e lendas, uma simples coincidência acaba se transformando em ocorrência. Existem relatos de pessoas que indicam ter visto o mesmo peixe dias antes do grande tsunami no Japão em 2011.

Quando será o próximo Tsunami no Japão?

Não se pode prever estatisticamente um evento desta natureza. Assim as autoridades japonesas estão sempre em alerta para evacuar a população de áreas de risco.

O fato é que os terremotos no Japão ocorrem com muita frequência e os abalos sísmicos no fundo do oceano pacífico detectaram o mesmo comportamento em torno da ilha.

Então não existe um padrão de comportamento para um tsunami no Japão ou para um tsunami no Brasil, o que se pode concluir é que os dias de tormenta não estão perto de chegar ao fim.

Como é que é um Tsunami no Japão?

Já ocorreu Tsunami no Brasil?

Os tsunamis no Brasil não costumam ocorrer com frequência, porém existem datados históricos que confirmam grandes precipitações marítimas em nossas costas. Assim esses acontecimentos são bem anteriores a existência de vida humana no continente americano.

Estudiosos afirmam que em um futuro não muito distante, as transformações causadas naturalmente ou pelo homem, irão tornar ativas as placas que nos rodeiam, principalmente as que estão no fundo do oceano Atlântico. Assim essa movimentação trará como consequência eventual um tsunami no Brasil.

Ainda que só por hipótese, é muito amedrontador o cenário criado. Porém nada disso esta confirmado e podemos dormir tranquilos sem nos preocupar em acordar no fundo do oceano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.